top of page
  • Foto do escritorPablo Albarracin

Como resolver problemas complexos. Uma perspectiva baseada na escuta e na co-criação.



Adam Kahane é um autor, consultor e palestrante conhecido por seu trabalho em resolução de problemas complexos e liderança colaborativa. Um de seus livros mais conhecidos sobre o tema é "Power and Love: A Theory and Practice of Social Change".

No livro, Kahane argumenta que muitos dos problemas sociais e políticos mais complexos que enfrentamos hoje não podem ser resolvidos usando as abordagens tradicionais de poder ou amor.

Em vez disso, ele argumenta que é necessário usar ambos - poder para realizar mudanças significativas e amor para construir relacionamentos e conexões com as pessoas. Oferece exemplos de sua própria experiência trabalhando em projetos de resolução de conflitos e desenvolvimento em todo o mundo e apresenta uma abordagem prática para aplicar essa teoria na vida real. Também discute como líderes e organizações podem desenvolver a capacidade de usar poder e amor de forma eficaz. Assim como as pessoas podem trabalhar juntas de forma mais colaborativa e construtiva, mesmo quando enfrentam desafios e conflitos complexos; e como os indivíduos e organizações podem desenvolver habilidades de resolução de problemas e liderança colaborativa para lidar com problemas complexos de forma eficaz.


"Solving Tough Problems: An Open Way of Talking, Listening, and Creating New Realities" é outro livro escrito por Adam Kahane sobre resolução de problemas complexos. Na versão em português, o livro toma o nome "Como resolver problemas complexos, uma forma aberta de falar, escutar e criar novas realidades"

Neste livro, ele descreve uma abordagem para resolver problemas complexos que ele chama de "aberta", que se concentra em aumentar a compreensão mútua e a criação de novas realidades através de diálogos e escuta ativa.

Argumenta que os problemas complexos são geralmente resultado de diferentes perspectivas e interesses, que se chocam e dificultam a resolução do problema. Ele sugere que, para resolver esses problemas, é necessário entender as diferentes perspectivas e interesses, e encontrar uma nova realidade que atenda a todos eles.

Descreve como essa abordagem "aberta" pode ser aplicada a diferentes tipos de problemas, desde negócios e política até saúde e meio ambiente. Apresenta essa abordagem em quatro etapas:

  • Preparação: Nesta etapa, o objetivo é entender o problema complexo e as diferentes perspectivas e interesses envolvidos. Isso pode incluir pesquisas, entrevistas e levantamento de dados.

  • Convocar: Nesta etapa, o objetivo é reunir as pessoas relevantes para o problema e criar um ambiente seguro e confiável para o diálogo. Isso pode incluir a definição de regras e acordos para o diálogo e o estabelecimento de uma equipe de apoio.

  • Conversar: Nesta etapa, o objetivo é realizar diálogos abertos e escuta ativa para entender as diferentes perspectivas e interesses. Isso pode incluir técnicas como o diálogo em círculos e o uso de mapas mentais para visualizar as diferentes perspectivas.

  • Criar: Nesta etapa, o objetivo é criar novas realidades que atendam a todas as perspectivas e interesses. Isso pode incluir a criação de projetos e planos de ação, bem como a implementação e monitoramento dessas soluções.

É importante notar que essa abordagem é iterativa e dinâmica, e pode envolver voltar para as etapas anteriores e ajustar as soluções à medida que as condições mudam. Também é importante manter a mente aberta e estar disposto a mudar de opinião e a adaptar as soluções à medida que novas informações são adquiridas. Essa abordagem requer liderança colaborativa, e a capacidade de se colocar no lugar do outro, e ouvir com empatia, para poder criar soluções que atendam a todos os interesses.

Também fornece exemplos concretos de como a abordagem foi usada com sucesso em vários contextos e fornece orientações passo-a-passo para aplicar essa abordagem a problemas específicos.

Um dos exemplos que ele fornece é a resolução do conflito entre indígenas e agricultores na Amazônia brasileira.

Neste caso, Kahane e sua equipe trabalharam com líderes indígenas, agricultores e funcionários do governo para entender as diferentes perspectivas e interesses envolvidos no conflito. Eles descobriram que os indígenas e agricultores estavam preocupados com questões diferentes, como a preservação da terra e da cultura indígena, e a segurança alimentar e econômica. Através de diálogos e escuta ativa, Kahane e sua equipe foram capazes de encontrar uma nova realidade que atendia a todas as partes envolvidas. Eles desenvolveram uma série de projetos, como a criação de cooperativas de agricultores indígenas, que ajudou a promover a segurança alimentar e econômica, enquanto também preservando a terra e a cultura indígena.

Ressalta como a abordagem "aberta" pode ser combinada com outras técnicas de resolução de problemas, como análise SWOT e TOWS, Design Thinking, e inteligência artificial para obter uma compreensão mais completa dos problemas e encontrar soluções mais eficazes.

É interessante ver como neste abordagem aberto, a construção de cenários é adoptada como uma técnica importante na apresentação de soluções para problemas complexos, não apenas como uma ferramenta para mitigar incertezas como vimos anteriormente.

Ele argumenta que a construção de cenários é uma maneira eficaz de visualizar diferentes possibilidades futuras e essa visualização dos potenciais impactos favorece a empatia e a alteridade e abre as portas para a busca de uma solução que seja boa para todas as partes.

Como a construção de cenários envolve a criação de histórias hipotéticas sobre como o futuro poderia se desenrolar com base em diferentes combinações de eventos e condições, permite que as pessoas visualizem as possibilidades futuras de uma maneira mais clara e tangível, e pode ajudar a promover a colaboração e a compreensão mútua.

Uma das técnicas utilizada por ele e seu time é a construção de cenários contraditórios como uma forma importante na apresentação de soluções para problemas complexos, ele argumenta que ao construir cenários contraditórios, é possível evitar a tendência humana de se concentrar em uma previsão única e ignorar outras possibilidades. Além disso, construir cenários contraditórios pode ajudar a identificar pontos cegos e suposições subjacentes nas soluções propostas e avaliar seu desempenho em diferentes contextos. Assim, essa abordagem pode ajudar a identificar soluções mais robustas e resistentes a mudanças imprevistas.

Em resumo, Adam Kahane apresenta uma abordagem inovadora para a resolução de problemas complexos. Ele argumenta que os problemas complexos não podem ser resolvidos usando as abordagens tradicionais de poder ou amor, e sim através de uma combinação de ambos. A abordagem "aberta" se concentra em entender o problema complexo e as diferentes perspectivas e interesses envolvidos, reunir as pessoas relevantes para o problema e criar um ambiente seguro e confiável para o diálogo, realizar diálogos abertos e escuta ativa para entender as diferentes perspectivas e interesses e criar novas realidades que atendam a todas as perspectivas e interesses. Também apresenta a construção de cenários como uma técnica importante na apresentação de soluções para problemas complexos. Ao seguir esses princípios, podemos encontrar soluções win-win que beneficiem a todos os envolvidos e tenham resultados duradouros.


2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page